O nosso emblema e seu significado
Um dos três símbolos nacionais da República Democrática de Timor-Leste é o emblema. Foi aprovado em 18 de Janeiro de 2007, recebendo a designação de Belak. O emblema nacional simboliza um globo terrestre, onde se inclui o território de Timor-Leste. Está delimitado por duas circunferências concêntricas de cor vermelha, onde se encontra denominação oficial do Estado, em português. Sobre o fundo branco do centro da circunferência interior, é reproduzida a insígnia do Monte Ramelau, pintada a vermelho na parte periférica e a preto na parte central, sendo esta contornada por uma linha amarelo dourado. O conjunto dos quatro ângulos que integram esta insígnia simboliza o princípio da separação de poderes e a interdependência dos órgãos de soberania do Estado. No interior da insígnia do Monte Ramelau encontra-se um livro aberto, a roda dentada, o batar fulin (milho) e o háre fulin (arroz), que simbolizam a sabedoria e a capacidade popular no contexto do desenvolvimento nas áreas da educação, cultura, justiça social, agricultura e indústria. Pode-se ainda observar uma espingarda automática, de modelo AK-47/Galaxi, o rama inan (arco) e o diman (flecha), que simbolizam os valores de séculos de luta de resistência do povo pela libertação nacional e de auto-defesa popular pela honra e dignidade da soberania do Estado. Abaixo da insígnia encontra-se o lema “Unidade, Acção, Progresso”, que representa os valores básicos da política e moral em que assenta a vida da nação e do povo. As cores têm o seguinte significado: o branco simboliza a paz; o amarelo refere-se à riqueza; o preto representa o obscurantismo a vencer; e o vermelho simboliza o amor à pátria e a luta pela libertação nacional.
03-12-2014

Outros artigos